domingo, 8 de dezembro de 2019

Dia OITO


Abandonada de todos os espíritos e vontades , mesmo não sendo Deus, ao sétimo dia descansei. Isto dito em palavras bonitas, para não parecer o que é. A verdade é que hoje, se não fora escrever e ler, diria que fiz vida de quadrúpede mesmo sem a locomoção da espécie. E portanto todo o pensamento de Natal se reduziu aos resmungos com o aproveitamento insano que a TV faz da época e que ainda não notara. Ele são programas a puxar à debilidade mental, graçolas estafadas onde o que mais falta é o humor, sinos e bolas e presépios em tanta medida que farta, e muito amor sorridente, dentaduras perfeitas que ainda assim não me convencem. Olho-as e dou por mim a lembrar o sorriso da ministra da saúde por quem não tenho qualquer empatia, mas é um sorriso de jeito, os dentes um bocadinho às cavalitas uns dos outros que lhe dão certa graça e a fazem parecer pessoa. Os outros sorrisos tv são apenas e só bocas bonitas.  Resigno-me. De cada vez que resolvo ver tv é isto, logo me arrependo.
Estás certo, Sérgio, temos de proteger o Natal das imitações. Conclusão, é bom faltar tempo para a caixinha mágica, a magia esvaiu, ficaram os tristes, pacóvios arremedos.


10 comentários:

  1. Este ano tenho a parte mais prosaica do Natal praticamente controlada, pelo que conto fugir da confusão das lojas apinhadas. Televisão pouco vejo. Só notícias e mesmo assim sem abusar. Até porque são repetidas à exaustão. Que possamos viver um Natal verdadeiro, sem nos encadearmos com o excesso de luz artificial. :)

    ResponderEliminar
  2. Estou consigo, Luísa, é preciso que nos lembremos do que é o Natal, o folclore está a ir longe demais.
    Boa noite

    ResponderEliminar
  3. O meu espírito liberal diz que cada um deve festejar o Natal 🌲 como lhe dá prazer. O histórico Jesus Cristo não nasceu em Dezembro, portanto não é necessário dar tanto valor à mitologia cristã 🌲

    O meu Natal não tem presentes, não tem TV, não tem cartões de Boas Festas. Uma meu Natal 🌲 é uma FEStA da Família 🌲

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ok, Teresa. Festeje com a família se isso a faz feliz. A mim não me faz diferença nenhuma se Cristo Jesus nasceu noutra data. Esta é a que se convencionou para a festa. E sou de rituais. Mas também respeito os dos outros, embora não faça questão de ser liberal.

      Eliminar
  4. Já meu pai dizia... ao domingo nada tem jeito (a não ser a missa)...🤔😊

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meus domingos, Gracinha, sempre foram véspera de segunda. Dias de muito trabalho, desde bem nova. Mais trabalho que durante a semana. Agora sinto-me bem a ficar em casa e fazer o menos possível, coisa que de há uns fins de semana a esta parte, a vida me vedou. Para mim é um facto extraordinário ter tempo livre ao domingo:).
      Boa semana

      Eliminar
  5. É a sociedade de consumo com as suas ficções e vertigens que promete satisfazer tudo e todos… Festejar o Natal em família, com amor, parece-me o melhor.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A família reunir-se para festejar o Natal é uma benesse, Graça. Ser uma família como a minha, é uma sorte:).

      Eliminar
  6. Concordo com a Gracinha. Já gostei muito do Natal. Actualmente não passa de um consumismo exagerado.Tudo um comércio. Depois é mais um ano a viver na ignorância, muita gente é assim! :)
    -
    --> O meu paraíso nublado ...
    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  7. Não é nada tudo um consumismo, Cidália. Há quem viva o Natal com o espírito original ou muito próximo dele. As crianças, se lhes soubermos alimentar a fantasia, extasiam com a data, as luzes, os brinquedos, os doces, o Pai Natal ou Menino Jesus, consoante o que ensinarmos. É preciso cultivar nelas o mesmo espírito, hão-de ser elas a continuar as nossas tradições. Ou não. Mas faz falta que também aprendam a dar e repartir, o amor ensina-se desde o princípio.

    ResponderEliminar