sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Dia TREZE


Não é que esteja tudo pronto, que não está.  Andei a “acartar” bibelots, a dar-lhes poiso para que o Natal tenha espaço, que objectos uns em cima de outros bolem-me com os nervos e perdem beleza. E praticamente foi isto, um tirar e pôr, muito de hábito nesta época. Não se pense que invento novas coisas. Nada. Sou conservadora e aguento mudanças suaves. Ou seja, vou ao sótão buscar os enfeites que retiro e encho as caixas com o que existe e se torna demais. Depois, volto a subir para arrumar as ditas, tão cheias como antes e com tudo embalado.
Bom, a árvore de Natal ainda não saiu à cena. Mas vai ter que se assumir, amo aquelas luzinhas a piscar no escuro, é um imprescindível. Se eu tivesse tido uma árvore de Natal em criança, hoje era de certeza outra pessoa. Ainda assim, detesto enfeitá-la. Mesmo.
Ah, mas eu vinha dar notícias dos meus Meninos Jesus (os meus Jesuses). Pois é, apareceram. Portanto, não vale a pena ligar à GNR ou mesmo para a polícia, ou até em crise e completamente destrambelhada, quem sabe, ligaria a um qualquer detective privado daqueles de chapéu de aba mole, gabardine e a modos que meio trocista. É que nem cheguei a investigar, bastou desembrulhar o que ainda restava. O busílis foi que um apareceu-me de pé amputado, é de meio a meio (do pé). Coitadinha da criança. E agora? Os hospitais cheios de espirros e gripes e nem pensar, apanha-me ali qualquer coisa nos brônquios e nunca mais há Natal; e também não vou levá-lo às urgências do Centro de Saúde que aquilo são mais que dez cães a um osso, e um porque está a soro, outro porque caiu e talvez tenha a clavícula fora do lugar, outro porque está a arder em febre e deve ser (lá vem de novo) a gripe. Então e eu levo uma criança desta idade (a bem dizer tem idade abaixo de zero) para tal lugar? É que nem sei onde é que andou e perdeu a metade do pé. Portanto, cuidadinho ao pisar. E, se virem cinco milímetros de pé, rematados por cinco dedos muito perfeitinhos, é favor trazerem-mos em mão, pertencem-lhe. Tirei um curso de colagem e quem sabe ele pode, sem complexos, bandear a perninha de novo. Dá uma peninha o inocente, ali está de perninha levantada e meio pezinho no ar...um dó. Ah, podem dizer, então e substituí-lo, ainda há dois. Ora essa, pois há, mas a pergunta até me ofende. Mais respeito com um deus, se fazem favor.  Em minha casa, sendo três da mesma coisa, cada um é um e tem o seu lugar. Um dia destes conversamos sobre o meu maior. E pode que também sobre o meu mínimo. Estou aqui a pensar...se calhar o melhor é entrapar-lhe o pé. É que o meu Menino Jesus não tem sangue azul, por dentro é de uma brancura de cal. Todo puro, o meu querido Menino. Mas acontece que a pureza numa metade de pé, cai mal e com um penso fica invisível.  Não é?


14 comentários:

  1. Vou-lhe contar duas histórias, mas antes de as ler, vai ter de ver o meu comentário de ontem, caso contrário, vai continuar a pensar "ad eternum" que sou divorciado :)
    Aliás... divorciado e mentiroso :)

    Temos uma fruteira cá em casa há mais de dez anos, que no primeiro dia que cá chegou, enchi-a de fruta e ao levantar parti-lhe a asa. A minha mulher, entre críticas e impropérios, colou-lhe a asa e cá anda. Nem sei como, e sempre pesada.

    Tudo começou com uma brincadeira. Estávamos os dois casais reunidos quando o meu amigo se lembrou de testar a esposa.
    Disse que estava a pensar inscrever-se no Tinder para ocupar uma hora ou duas da parte da tarde enquanto a mulher vai à piscina. Quando a mulher lhe respondeu que ele era tão feio e desinteressante que ninguém se iria interessar, por acinte decidiu avançar, e foi logo ali à nossa frente.
    Colocou uma foto aceitável, disse que era casado, reformado, educado, com vida estável, interesse pelas artes nas áreas da literatura, cinema e pintura, zona do domicilio etc.
    Passado quinze dias quando nos voltámos a reunir, o assunto veio à baila.
    - Ou!... Ou!... apareceram-me sete, imagina, sete!
    - E disseste-lhes que era para encontros de duas horas?
    - Ó laricas, todas de acordo. Para conversar chegava e sobrava.
    - E então... já foste a algum?
    - Está bem ó melro, a Adelaide deletou-me logo a aplicação!

    PS: «a bem dizer tem idade abaixo de zero», muito bem lembrado. E o corpinho com este frio também deve andar por aí.

    ResponderEliminar
  2. Pois...tudo em bem, Joaquim. É possível que tenha sido uma das suas histórias; mas não me apetece ir à procura de coisa tão comezinha só para poder dizer, olhe foi aqui a minha confusão que, para o efeito, não adianta nem atrasa. Já emendei o cartão de cidadão:).
    Então, não achou o pézito do meu Menino, está visto. E sim, é que o lavei com álcool puro que me chegou sujinho, sujinho e de fralda encardida. Onde é que aquele fingidinho foi passar o verão é que não sei. Pois é, está assim nuzinho, mas encontrei uma ovelha de tamanho razoável e muito mansa, bem maior que a manjedoura. E olha, à falta de vacas, burros, mãe e pai, lá está ela a aquecê-lo. Foi que se pôde arranjar.
    bom dia

    ResponderEliminar
  3. Vim agora a correr do Rol de Leituras da Teresa e ainda estou um pouco cansado.
    Quero-lhe dizer que também eu estou a torcer por um poema seu de Natal.
    Isso é que era uma prenda boa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas é que não sei mesmo poemar, sou só leitora de poesia:). Não podem pedir outra coisa no sapatinho virtual? Já Aristóteles, homem sensato, afirmava que os sonhos são importantes, mas devemos sonhar com o possível.

      Eliminar
  4. Boa tarde!
    Admiro-lhe muito a ironia com que escreve os seus textos. Tenho a certeza de que é uma pessoa muito bem disposta e com bastante sentido de humor ( sei que também "temos" os momentos azedos) Lool. Que chatice ficar a Criança com um pé partido. Mas tem o pé? Se colar com fita cola transparente? Tadinho do Menino! :)

    -
    --> Não desapareces do meu sentimento
    .
    --> Invenções
    Beijo, e um excelente fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho lá agora a metade do pézito, aquela dos cinco dedinhos. Nada, Cidália, ali está de pé partido que ainda não o entrapei por via de umas visitinhas de dia inteiro que muito me satisfizeram.

      Eliminar
  5. Eu não punha penso... disfarçava com uma mantinha... 🤔😊... Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh! Gracinha, isso não se faz! Menino que é Deus aguenta-se sem mantas. E está todo desinfectadinho que dá gosto, pele rosadinha (excepto no pé), a fralda desempoeirada e limpa. É que Ele gosta de estar nu, não há outra explicação para aquele sorrisinho celestial.
      Boa noite:)

      Eliminar
  6. A decoração da árvore de Natal 🌲 quando vivia com os meus pais, era tarefa da minha tia Alda e minha. O Natal sem árvore de Natal 🌲 não é Natal 🌲 Embora nos últimos três anos não tenha tido árvore de Natal 🌲 em minha casa, porque festejo o Natal 🌲 fora de casa 🌲

    Um texto irónico, muitíssimo a meu gosto‼‼

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Irónico, Teresa?! Pois brinco eu com a desgraça do meu Menino? Não posso, que, apesar das preferências da Teresa por diabos, o inferno não me interessa (já sei que gosta, mas lá escalda e não é bom para a pele). Estou é moidíssima com isto tudo. Essa é que é essa.

      Eliminar
  7. Ó Senhora Dona Bea, então no seu presépio o Menino Jesus é trigémeo e órfão de pai e mãe?!?
    E nem uma vaquinha, nem um burrinho, apenas uma ovelha grande e mansa?
    Não me diga que também não tem reis magos, camelos e ouro, incenso e mirra...
    E os outros dois little Jesus?
    Não quer tirar uma pligrafia e mostrar-nos?
    Eu sei, eu sei, são muitas perguntas, mas deixou-me curiosa...
    🤔
    Julgava-a mais tradicional ;)

    Boa tarde.
    🤶

    ResponderEliminar
  8. Mas sou muito tradicional, Maria. Já disse que os três têm de estar presentes no meu Natal (isto é tradição). E não são bem trigémeos, são mais o mesmo em tamanho variável. Senão, veja, têm os três a mesma pose desnuda e com fralda, mas a cada um cabe sua camita e seu tamanho. Desgraçadamente, nenhum tem pai nem mãe; sou só eu por eles. Farto-me de correr lojas de santos e só vendem presépios completos. Foi no Porto, em Braga e até em Amarante. Ora eu já tenho três jesuses, não preciso de um quarto. Que é lá isso, a minha ovelha é muito competente. Tem pose de cão de guarda; ela e o Menino do pé partido são unha e carne. Além do mais, o cheiro a estábulo fica um pouco mais suave com a ovelha. Embora que, quando pomos o nariz na lã, aquilo não cheira muito bem (já andei a cheirá-la, pois, sou cuidadosa com os garotos, pensa o quê.
    Qual reis magos, quero essa gente fora da porta. Que é que os reis têm que fazer em minha casa, eles que adorem o Menino nas casas da outra gente. Até porque é uma completa parvoíce dar a um bebé incenso e mirra. Ouro, ainda vá que não vá, sempre se pode fazer uma pulseirinha com um coração para ele roer quando lhe nasçam os dentes. Vêm-me aquelas três abéculas lá não sei de onde atrás de uma estrela para isto, darem prendas que não servem para nada. Pois também não os preciso. Se bem que, chegam tão atrasados que, quem sabe, vieram a pisar ovos e com tempo para acharem a metade do pé que levou descaminho.
    Mas pronto, o Menino está bem e sem febre ou sinais de infecção.
    Boa noite, Maria.

    ResponderEliminar
  9. Eu gosto do simbolismo dos reis magos, aliás costumava surpreender os meus amigos nesse dia com lembranças, eles nunca estavam à espera...
    Entre o ouro e a mirra, preferia a mirra; tem poder curativo muito forte, os meus ossinhos iam ficar todos contentes :))
    Ah, e diga aí à sua ovelha que eu gosto muito da espécie (e do queijinho delas) e também me rio muito com a ovelha Choné ;)

    Abracinho às duas.
    🐑

    ResponderEliminar
  10. Ao certo ao certo não sei de onde veio a ovelha, apareceu-me em casa, acho eu que nasceu dentro de uma caixa:). Para mim e o Menino Deus, é claro. Serão dadas as suas recomendações:).
    A ovelha Choné, lamento, mas não faz parte dos meus conhecimentos. Peço desculpa à Choné pelo lapso.

    ResponderEliminar