quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Dia DOZE


Sou de prazeres e  coisas pequenas. E nem tanto por serem os únicos que contam, mas sobretudo por serem os que me acontecem, os que estão ao alcance de qualquer e portanto também ao meu, os que ocorrem com maior frequência. E há factos tão de frente para o humor que não podem senão deixar-nos bem dispostos. Sim, porque, sendo factos indesmentíveis, -aconteceram - têm a marca do inverosímil. Que haja um fulano – um artista, pronto – que atravessa uma banana com fita-cola e a pespega numa mostra de arte, já é um bocado parvo (o artista tem ar de ser um gozão de primeira e parece que era provocação premeditada), mas o mundo da arte está mesmo cheio de coisas que não entendo porque, em seguida, alguém se propôs dar 108 000 euros (feita a conversão do dólar) pela obra. É idiota acreditar, mas sucede que sucedeu:). E que depois (parece telenovela), um outro artista vá lá e coma a banana filmando-se no acto (penso que não tenha ingerido a fita adesiva), é supremo. Deglutiu a obra de arte :). E ler isto num dia de cinzentice careta, deu-me boa cara. Que, para mim, os três protagonistas do evento tinham um secretíssimo convénio. E o Ricardo, nA Boca do Inferno, fez o favor de engalanar o meu raciocínio. Tem vezes que a Visão não está com nada. Desta vez superou-se a si mesma e inflou a todo o pano, muito ancha. Gostei um imenso de ver e ler. Afinal, haver a Dulce Maria Cardoso e hoje, soma dois motivos, hip, hip, hurra!, para renovar a assinatura.
E o Natal? Booom...já encontrei os lápis de desenho e algumas folhas sobrantes de anos anteriores, há peças de roupa por todo o lado que não tenho um único embrulho (minto, tenho um), enfeites dentro e fora de caixas e vários presentes em falta. Mas lá iremos. Preocupa-me ainda só ter descoberto um Menino Jesus, será que os outros dois emigraram?! Ora esta.


14 comentários:

  1. SEMPRE um texto humorista, no qual ficamos com receio, que os dois meninos Jesus tenham emigrado para Bethlehem 😱

    Também li o acontecimento bananal 🍌 no mundo da arte fenomenal 😱

    ResponderEliminar
  2. Os Meninos Jesus não me faziam uma coisa dessas, Teresa. E depois, em Belém já não há nada, nem os pais, nem pastores ou manjedoira, vacas, ovelhas, cabras, é tudo outro gado. A eternidade também tem consequências:).
    Boa noite, Teresa.
    A Visão está um must:).

    ResponderEliminar
  3. Este fim-de-semana, antes de sair, a minha empregada vai fazer a nossa decoração de Natal.
    Bfds

    ResponderEliminar
  4. e a minha, que já anda a fazê-la aos bochechos, vai completar. Vão ficar em falta apenas os arranjos e centros de mesa de Natal:).
    Um dia bom, Pedro

    ResponderEliminar
  5. A arte está sempre na alma de quem a contempla mas como a banana é um fruto que me obrigo a comer e aquela fita detesto ter de a cortar... 🤔😊 Bj

    ResponderEliminar
  6. O mundo da arte presta-se frequentemente ao absurdo. Li algures que numa exposição de escultura alguém se propôs comprar o bengaleiro. Ridículo, mas sem superar a banana exposta/ comida.
    Por aqui, chuva e frio. Zero de confusão. Aguardo calmamente os meus amores para a consoada. Sem prendas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Nina, tem razão sobre o absurdo.
      Pois, vamos falar do clima: na minha terra o dia foi tão cinzento como o de ontem e choveu pouquíssimo, mas a humidade do ar era forte. Não há frio, a prova é que saí sem casaco. Penso que também não ando em stress. Mas há coisas por fazer:). E antes dos meus amores maiores, tenho de visitar e receber outros. E não apenas por ser de praxe. Mas porque me esperam ou eu os espero com saudade e muito carinho. Suponho que necessitemos uns dos outros. É isso.
      Boa noite, Nina.

      Eliminar
  7. Nunca mais ofereço perfumes. Há dois anos lembrei-me de oferecer um à minha mulher - ela não gostou, e o frasco permanece cheio.
    A história desse perfume é engraçada. Estava a estacionar no parque dum centro comercial na época natalícia. Ao abrir a porta para sair, choco com uma senhora cheia de embrulhos que ia para o carro ao lado. Um caiu no chão e eu curvei-me para a ajudar e foi aí que me apercebi da sua fragrância sedutora. Não resisti a perguntar-lhe de que marca se tratava, calculando que fosse um Channel 5, ou um Carolina Herrera, ou um Opium ou qualquer outro digno de Suskind e de produção limitada.
    - Oh! caro senhor é um da Massimo Dutti.
    O resto da história já adivinharam.
    Gosto tanto do aroma que por vezes abro a tampa e deito num lenço; sempre é melhor do que me andar a roçar pelas senhoras nos transportes públicos e centros comerciais a cheirá-las...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))))) Joaquim! Já estou a imaginá-lo a farejar (salvo seja) o dito aroma.
      Esqueceu-se que é divorciado?! Ou é um divorciado que continua a morar com a ex...pode ser. De outro modo não sei como saberia que ela ainda não abriu o frasco. E também aprendi que a Mássimo Dutti vende perfumes.
      Mas gostei da história, está bem contada.

      Eliminar
    2. Agradeço que não me divorcie mais vezes :)
      Sou casado há 29 anos. Ponto.
      Já há uns meses me disse isso e eu na altura lembro-me de a ter corrigido, mas a Bea não deve ter lido. Possivelmente ficou com essa ideia de alguma coisa de ficção que eu tenha escrito, de maneira que interiorizou. Não tem importância.
      Boa noite.

      Eliminar
    3. Ó pá, peço desculpa a si e à sua mulher. Pois é, deve ter sido isso:). Sorry, sorry, sorry (em inglês soa mais contristadamente); como se diz na minha terra, "estou repêsa".

      Eliminar
  8. A vida só é bela se a vivermos com o sentido de humor apurado, e é o que não lhe falta Amei o texto! Agora estou preocupada com menino jesus,onde terá ido?:)
    -
    --> Não desapareces do meu sentimento
    Beijo. Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  9. Ah, Cidália, não se preocupe, já descobri tudo e encontrei mesmo uma explicação para tal desaparição. É que o encontrei de perninha trocada nas palhinhas da manjedoura, mas aquele pézinho que baloiça quando ele está satisfeito apareceu só pela metade, imagine. Nem perguntei nada, já basta o que basta e como deve ter sofrido, o coitadinho do meu Menino. Deduzo que andou por aí à sorrelfa (estava todo sujo, tive que o desinfectar com álcool puro) e alguém que não o viu fechou uma porta com mais força e olhe, ficou-lhe a metade do pé de um lado e ele do outro. Mas pronto, à parte isso, está lavadinho e prometeu que não sai do lugar. Mas estou com peninha do bichinho. Quem será que lhe fez tal mossa...é que não sei.
    O mais pequenino, como não abandonou a almofadinha vermelha onde nasceu, está vivinho da silva e recomenda-se. Portanto, a minha família Natal, que são três Meninos em escada, está completa. Mas não inteira :)))

    ResponderEliminar