sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Dia UM

O meu calendário de Natal começa com as prendas. Bem antes do Dia UM. Neste ano de contenção e economia palpitei, inventei, e, entre os vários presentes manuais, pensei ofertar os livros que eu mesma tinha comprado e lido ao longo do ano, apagava um ou outro sublinhado e já está. Fiz, sub-liminarmente, uma lista de compras para os imprescindíveis: uns de quem gosto demais; outros que precisam delas; aqueles porque não gostam de ler; estes porque sei que ninguém mais lhes oferta coisa de jeito, a leitura não lhes faz gosto e esperam o meu presente. E saí a compras. Com despesa assente, rememorando limites na friúra da manhã. 
Mas, ó deuses, divergi. Divergi largamente. Lá se foi o subsídio.
Não importa. A primeira janela é de caleidoscópio. Basta agitar e, lá dentro, bem à vista, desenham-se alegrias de Natal, bolas às cores, pinheiros com cheiro a resina e caruma verde, neve em estrela, lareiras acesas, vinho quente, azevinho, um Menino Jesus em pelota. 
Viva! 

2 comentários:

  1. Bom dia. Nestas alturas por muito que façamos contas e juras, gastamos sempre MUITO mais que aquilo que queremos ou tinham,os planeado. É assim, não há nada a fazer.
    .
    Hoje: { Outono. Olho a rua, o jardim, folhas caindo }
    .
    Deixo cumprimentos e votos de um dia muito feliz
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi um bom dia:). É mesmo. Sinto-me a prevaricar.
      Mas comprei umas prendinhas que vão deixar os destinatários bem contentes. Pena que não possa dar um Menino Jesus maior. Para mais gente.

      Eliminar