segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Da Necessidade

Em crianças vivemos sem pensar no tempo. Se me diziam que estava quase a fazer anos, deixavam-me confusa. Como é que os adultos sabiam de tal coisa, o que os levaria  a afirmá-la  naquele ar de certeza?! E perguntava. Respondiam-me qualquer coisa como “tu nasceste neste dia”. O que ainda me era mais incompreensível. Julgava o tempo uma sequência de dias perdidos em cadeia. Como é que os crescidos podiam recuperá-los depois da queda, isso é que não entendia. Continuo a pensar que os dias caem inexoráveis e sem hipótese de repescagem. Caem mortos, hora atrás de hora, minuto após minuto. Mas, na correnteza dos dias há também as noites.

Oh, o bendito silêncio da noite que cobre todas as coisas, as emudece e enovela. O silêncio de lembrar quem e o que gostamos. A paz dos livros e das letras. O sermos nós tão longe do nosso centro. A doce sensação de saber que, depois, o sono nos há-de tomar e por algumas horas nada mais  seremos que um corpo animal que respira. Despida a farda de sermos homens, pouco nos fica. A verdade é que, se acordados nos esforçamos por ser quem somos, adormecidos, ainda que o não queiramos, é isso que esquecemos. Um animal que respira e descansa sem peias. Horas cheinhas de minutos. E nelas somos sem idade, sexo ou condição. É repouso e evasão. Pura necessidade. 

2 comentários:

  1. Prefiro pensar em dias que passam vivos, mesmo quando "morrem", renascem, perpétuos. E enquanto formos renascendo com eles, está tudo bem. :)

    ResponderEliminar
  2. São pontos de vista. E de vida. Gosto da noite e da distensão que a acompanha.

    ResponderEliminar