sábado, 9 de setembro de 2017

Particular Indiano

Estou no metro. Entro devagar na carruagem, a  aproveitar a benesse da idade e sento-me frente a um casal jovem. São indianos. Ele tem os óculos e os olhos virados a ela. Focalizados. É linda e típica, pele acetinada em moreno escurecido, boca carnuda,  um traço natural e acastanhado em debrum, o meio do lábio inferior em vermelho natural. Mais acima, o donaire em arco da sobrancelha é asa que guarda a graça do risco de Kohol ajustado ao poço sem fundo dos olhos. Ciciam palavras alegres ou ternas enquanto as mãos se vão entretendo em conversa de umas a outras, num enlaça deslaça digno de filme. Presumo que combinem quotidianos futuros, cada um esperando a palavra do outro. Talvez aprazem a tarde, as próximas horas, o dia de amanhã. Existem-me da cintura para cima que o resto do corpo elide e morre sentado, quieto. Nada neles é urgência, antes parecem comungar do sentimento do apóstolo que em bem aventurança se vira a Cristo e, negando o mundo real, pede o eterno, “ senhor, é bom estarmos aqui. Se desejares, farei aqui três tendas, uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias”.

Não houve tendas para o Senhor Deus. Não haverá para o casal indiano. Mas oxalá o momento deles seja eterno o quanto baste.

Sem comentários:

Enviar um comentário